quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Pornografia!!!!!! Eeeeeeee


Não era nada, só queria escrever a palavra pornografia porque linka mais acessos no blog...


70% das coisas que as pessoas procuram na internet é pornô... então... talvez escrever pornô várias vezes traga mais ibope pro meu blog!!


Imagina então se eu colocar como tag "Foto da Juliana Paes pelada"

Daí sim, aumenta o número de acessos ali do ponteiro por causa do google images...

Continue lendo >>

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Altos papos...


Eu deveria ter mais paciência com alguns assuntos...

Mas eu não tenhooooooooooooooooo!!!!!

Se alguém quiser me excluir de uma roda de conversas, por favor, comece a falar em roupas, bijouterias, na sandália que a fulaninha comprou e na sandália que a prima da fulaninha queria comprar, ou no corte de cabelo da amiga da fulana, que é o último grito da moda, ou então na cor do esmalte da Godofredaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!

Ai que sacooooooooo!!!

Daí a pessoa se desloca pra roda dos meninos... (pq é assim, a roda dos meninos e das meninas)

A pessoa não aguentou os papos da roda das meninas... e tentou se sociabilizar na roda dos meninos...

E???

E fica ouvindo que o técnico do Inter não deveria ter escalado o João do Caminhão...

Tá, eu sei que generalizar é feio... mas a grande maioria das vezes é isso que acontece...

Não que eu não goste de futebol ou não goste de colocar uma roupa que me sinta bem e tal...

Não que eu nunca fale nisso ou nunca assista novela, mas...

É que puxa vida... que saco!!!

Procura-se uma roda para gente estranha como eu...

Quem dera se a galera quando se reunisse, ou falasse muita merda ou falasse coisas importantes para o mundo... porque futilidade me irrita...

Continue lendo >>

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Novamente ela... a hipocrisia...


Organizando o caos mental...

Que coisa não.
Sim, que coisa, sim...

Eu acho que vou escrever uma novela... mas com personagens fictícios, sem nenhuma relação com a realidade – será que existe isso? Claro que não!! Eu queria produzir um documentário. Mas sabe, tem tanta coisa que nem sei como começaria. Já pensei mil vezes em fazer um. Poderia se chamar: “hipocrisia”.

Acho que a palavra que mais abomino chama-se hipocrisia. Por trás da hipocrisia existem tantas mazelas... tanto disfarce, tanta história pra boi dormir, tantas repressões, tantos simbolismos e significados de sentimentos ocultos ou então tanta moral de cueca... tanta mas tanta...

Olha o que o wikipedia disse (apesar de eu não confiar muito nele...)
A hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes, ideias e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. A palavra deriva do latim hypocrisis e do grego hupokrisis ambos significando a representação de um ator, atuação, fingimento (no sentido artístico). Essa palavra passou, mais tarde, a designar moralmente pessoas que representam, que fingem comportamentos.


A hipocrisia social me enoja mais ainda, pois a coisa vai se massificando e o discurso comum acaba por ser uma falácia da porta pra rua. O discurso comum não traz o discurso para dentro de casa, nem tampouco ultrapassa as portas do quarto até a sala... a hipocrisia consome pessoas vivas, pois ela é um ser morador do interior da cabeça de cada um.

É difícil lutar contra ela, contra si próprio, mas ao menos dá pra ser humilde de vez em quando e tentar não deixar a hipocrisia contaminar demais o discurso. Agora, tem gente, que não só não controla o discurso como ainda infla o discurso hipócrita dos outros.

O que eu chamo de hipocrisia hoje, não sei como chamarei quando deixar de ser jovem. Pois às vezes quando a pessoa amadurece, vai vendo que alguns conceitos eram radicais demais, e começa a revê-los. Eu espero cada vez ser alguém melhor, mas tenho minhas dúvidas sobre minha tolerância com a hipocrisia que contamina relações, mata gente, difama inocentes e de presente traz miséria moral e material aos seres da Terra.

Cabe dentro da hipocrisia, tanta coisa, que poderia ser o lixo da Terra.

Nesse momento da minha vida, ainda acredito que o ser humano tem ímpetos de coletividade acima dos de individualidade.

Não sei se pensarei assim sempre. Essa visão, é, acima de tudo, uma visão otimista de esperança. Será que eu vou pensar sempre assim? Óbvio que o pensamento se transforma ao longo do tempo, mas sobre esse tema, tenho minhas dúvidas.

E como militância política ainda é um tema romântico pra mim, tem muita água pra rolar embaixo desse rio até que possa afirmar “esqueçam o que eu escrevi”...

E quanto a isso, espero nunca chegar a esse ponto da decadência ideológica.

Continue lendo >>

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

O Cocô


O Cocô era um menino muito levado que gostava de falar merda e vivia se arriscando por aí.
Um belo dia, viu o Cagalhão andando na rua e pensou:
-Esse cagalhão é mais bonito que eu, bem grandão, forte... eu queria ser um cagalhão.
O Cocô resolveu parar o Cagalhão e perguntou pro Cagalhão como ele fazia para ser assim tão forte...
O Cagalhão respondeu:
-Ora bolas, eu malho, eu me alimento bem, como milho, casca de feijão, aveias e cereais, além de muita carne...
Daí o Cocô pensou:
-Vou comer tudo isso pra ver como eu fico...
E lá se foi o Cocô, na quarta-feira verde do Nacional, comprar coisas que o deixaria encorpado e forte... comprou verduras, frutas, carnes, cereais, enfim...
Depois de passadas duas semanas, o Cocô começou a se sentir mal... mas tão mal, que um belo dia, foi passear na Celite e:
-Pssssssssssssfrrrrrrrrrçssssssss
Deu tudo errado.
Nem Cocô, nem Cagalhão...
Ele saiu um Peido Molhado...


Moral da História: Nada como um dia após o outro...

Continue lendo >>

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Palavras apenas...


Se as palavras escritas em um texto tivessem um poder de demonstrar sentimentos, hoje elas sairiam com um visual cinza e cheias de envergaduras para baixo, como se estivessem se derretendo, se decompondo. Assim sairia um texto meu, ainda que falasse de política, de futebol ou de religião.


Pois nem tudo que se fala, é. Por trás da palavra amor, pode não estar escrito amor. E por trás da raiva, pode estar algum amor.

E como descobrir?

Na dúvida, é bom ler o que está escrito. Ao menos até que se tenha o poder de desvendar uma palavra.

Continue lendo >>

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Umas coisas que eu não entendo...


Tem umas coisas no mundo que eu não entendo.


E tem outras que eu acho que entendo.


E tem aquelas que eu não entendo e nem nunca vou entender.



ehheheheheehhehehe


Profundo, né?


Não entendeu nada?

Continue lendo >>

domingo, 17 de janeiro de 2010

Mais do mesmo ... do mesmo discurso...


Estava vendo há pouco um documentário sobre a Bolívia, e óh... "BAH"! Como diz o Kraunus, maestro do Tangos e Tragédias... isso aqui não é a Sbórnia mas BAH!

Tem coisas que ao longo da vida vão se modificando, outras se transformando, outras a gente mantém como era do princípio, e assim os processos de descoberta e de contradição vão se dando...

Mas tem uma coisa que quanto mais o tempo passa, mais se consolida. É a ditacuja LUTA DE CLASSES. Puxa vida, que coisa mais "tão tão" parecida em qualquer lugar que se vá. Especialmente aqui na América Latina, que coisa forte é o discurso da classe dominante e o discurso da classe historicamente oprimida. E que coisa mais deprimente que é a classe oprimida que internaliza o discurso dominante e se acha o verdadeiro burguês...

Não precisa fazer profundas análises, vou me pegar em apenas um aspecto: o documentário mostrou o discurso de pessoas contra Evo e a favor de Evo. Poderia entrar em mil comparações, mas a estética foi a mais gritante. Os a favor entrevistados eram índios e os a contra eram bolivianos brancos. Óbvio que esta comparação aos poucos vai se espraiando na miscigenação ao longo da história, mas por hora, foi simbólico demais. Teve até um cara que disse que esse negócio de ficar puxando na história o sofrimento que os povos pré-colombianos tiveram com os espanhóis, era coisa do passado. Tava na hora de todos se juntarem, pois espanhóis e índios, são todos iguais... ehehehe... todos iguais uma baita duma ova, tava lá ele, discursando contra o Evo e ignorando a história do país. Nessas horas "somos todos iguais"... boa essa.

O mesmo vivi na Venezuela. O povo nas ruas num pronunciamento público de Chavez a favor do Sí pela reforma constitucional eram misturados, eram negros, eram índios, eram brancos, eram tudo. A meia dúzia de gato pingado nas estações do metrô com cartazes pelo No e escritos comparando Chavez à um grande ditador que reprime a "liberdade de imprensa", eram meninas loiras de chapinha e meninos universitários bem vestidos.

Não se trata aqui de fazer generalizações infantis nem tampouco por estereótipos, mas existe um simbolismo por trás de tudo isso.

Espero ainda estar viva para ver uma misturança tal, que na entrevista entre contra e a favor os projetos socialistas, não fique assim tão evidente pelo visual, do que estamos falando quando relacionamos luta de classes historicamente construídas e tão fortemente consolidadas.

O triste é que tem uma galera que é da classe trabalhadora e discursa a favor do capital.

Tá cheio de gente ralada nesse mundão dando inchaço no discurso capitalista.

Só aqui no meu bairro, nem se fala... um monte de gente que se rala trabalhando, é explorado, usado, abusado, e ainda assim defende seu algoz...

Mas não digo isso com pessimismo, pelo contrário, só mostra que temos inesgotáveis lutas e diálogos para travar.

Para encerrar, digo que o documentário me emocionou por ver um número cada vez maior de gente do lado "oprimido" da força... isso dá injeção de ânimo.

E por outro lado, me convenço cada vez mais, e posso estar redondamente enganada, mas me convenço cada vez mais que não se deve perder tempo travando debates com quem incorpora o discurso da direita com unhas e dentes, e é explorado até não poder mais. Essa classe média que acha que é burguês, e forma opiniões por aí afora, só atrapalha a luta e não enxerga que é só mais uma peça da engrenagem.

O poder que vai emergir de verdade, vem do povo, e não do povo que não se considera povo...

Continue lendo >>

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Pérolas mundanas...


A página inicial do yahoo sempre me traz informações imprescindíveis para minha sobrevivência e minha conduta moral também. Ora vejam eu li que o Papa perdoou a menina que consideravam com "problemas mentais" de ter derrubado ele aquele dia lá...

Que bonzinho, né?

Será que eu perdoaria o Papa se fosse da família diabólica de bruxas más que foram queimadas na santa inquisição?


... huuummm, sei não...


Será que eu perdoaria o Papa se fosse da família de uma mulher morta por aborto ilegal mal feito?

Será que eu perdoaria o Papa se quisesse casar com alguém do mesmo sexo que o meu e ele aparecesse quase todo mês na TV dizendo que é proibido?



Sabe que o mercado vem sendo também uma boa religião... mais libertadora, com mais variedades, mais opções... que legal, né?


Ora vejam, esses dias me dei conta que a arca de Noé do Antigo Testamento, nada mais me pareceu do que um extermínio em massa feito por deus. Até meados do século passado isso se chamou Holocausto. E de hoje em dia, chamamos de genocídio, guerra, enfim.

Quando eu era criança era tão bonitinha aquela história de colocar uma família e um monte de casais de lindos animaizinhos em cima do barquinho...

Tá na bíblia que ele se salvou porque era "justo e perfeito". O Noé era da turma dos "justos e perfeitos", aqueles que a gente não pode dizer o nome nem o grupo que frequentam, pois é secreeeeeeeeeeto... Que sorte a do Noé!!!

Continue lendo >>

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO